De tanto mudar caminho
esqueci-me do verdadeiro.
Fiquei, entre ruas, perplexo
e encantado por me ter perdido.

Tanta coisa para ver,
namorar, meter no bolso
da memória que é um poço
e vagabunda, como eu.

Dei comigo a uma porta
de uma casa que subia
andares de janelas idas
a um telhado de mansardas.

E subi ao derradeiro.
Bati a uma porta,
entrei e dormi, aventureiro,
nos braços de uma mulher.

Alta manhã acordei
com um gosto a maresia

no ar em que me lavava.
E desci a escada ao piso
da rua, onde me encontrei
prosseguindo no caminho
verdadeiro.

 


In Memória Descritiva
Ruy Cinatti
DECISãO
« Voltar