Como louvarei eu, Serafim santo,
tanta humildade, tanta penitncia,
castidade, e pobreza, e pacincia,
com este meu inculto e rudo canto?

Argumento que s Musas pes espanto,
que faz muda a grandloqua eloquncia.
imagem, que a Divina Providncia
de si, viva, em vs fez para bem tanto!

Fostes de santos uma rara mina;
almas de mil a mil ao Cu mandastes
do mundo que, perdido, reformastes.

E no roubveis s com a doutrina
as vontades mortais, mas a divina,
pois os seus rubis cinco lhe roubastes.

Luís Vaz de Camões
[COMO LOUVAREI EU SERAFIM SANTO]
Voltar