Suspiros inflamados, que cantais
a tristeza com que eu vivi to ledo!
Eu mouro e no vos levo, porque hei medo
que, ao passar do Lete, vos percais.

Escritos para sempre j ficais
onde vos mostraro todos co dedo
como exemplo de males; que eu concedo
que para aviso de outros estejais.

Em quem, pois, virdes falsas esperanas
de Amor e da Fortuna, cujos danos
alguns tero por bem-aventuranas,

dizei-lhe que os servistes muitos anos;
e que em Fortuna tudo so mudanas,
e que em Amor no h seno enganos.

Luís Vaz de Camões
[SUSPIROS INFLAMADOS QUE CANTAIS]
Voltar