Este pais é um corpo exasperado,
a luz da névoa rente ao peito,
a febre alta à roda da cintura.

O país de que te falo é o meu,
não tenho outro onde acender o lume
ou colher contigo o roxo das manhãs.

Não tenho outro, nem isso importa,
este chega e sobra para repartir
com os corvos – somos amigos.


In Matéria Solar
Eugénio de Andrade
« Voltar