As duas ou trs vezes que me abriram
A porta do salo onde est gente,
Eu entrei, triste de mim, contente —
E entrada sempre me sorriram...

 


Paris, outubro de 1915
Mário de Sá-Carneiro
Voltar