nsias terrveis, ntimos tormentos,
Negras imagens, hrridas lembranas,
Amargosas, mortais desconfianas,
Deixai-me sossegar alguns momentos:

Sofrei que logre os vos contentamentos
Que sonham minhas doidas esperanas;
A posse de alvo rosto, e louras tranas,
Onde presos esto meus pensamentos:

Deixai-me confiar na formosura,
Cruis! Deixai-me crer num doce engano,
Blasonar de fantstica ventura.

Que mais mal me quereis, que maior dano,
Do que vagar nas trevas da loucura,
Aborrecendo a luz do desengano?

 

Bocage
PUNGIDO DA REALIDADE PROCURA ALíVIO NAS ILUSõES
Voltar