Hoje, Quando te vi, estavas cismando;
Em que cismavas tu, virgem formosa,
Desmaiadas as faces cor de rosa.
E o seio, o gentil seio. inquieto arfando?

Em que cismavas tu? De quando em quando
Elevavas ao céu, triste, saudosa,
A vista amortecida, lacrimosa,
Para a baixar depois em gesto brando.

No chão jaziam murchas, desfolhadas,
As rosas, que ainda há pouco te toucavam,
Agora já por ti abandonadas.

Os últimos clarões do sol douravam
As tuas belas tranças desatadas;
Diz, que íntimos anelos te turbavam?

Júlio Dinis
« Voltar