De uma só vez recolhe
      As flores que puderes.
Não dura mais que até à nocte o dia.
      Colhe de que lembrares.
     
      A vida é pouco e cerca-a
      A sombra e o sem-remédio.
Não temos regras que compreendamos,
      Súbditos sem governo.
     
      Goza este dia como
      Se a vida fosse nele
Homens nem deuses fadam, nem destinam
      Senão quem ignoramos
4 - 11 - 1923

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
« Voltar