Antes que o Tempo fosse
      De dentro d’alma reinei
Numa vida antiga e doce.
Antes que o Tempo fosse
      Vivi sem dor e amei.

Não sei a que forma vaga
      Prendi esse meu amor
Sei que inda me embriaga
Remota imagem e vaga
      Que vive na minha dor.

Recordo um sonho sonhado?
      E sonho a recordação?
Não sei; ao meu ser cansado
Que importa o que foi sonhado,
      Se o próprio real é ilusão?


Julho de 1909

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar