O céu é uma grande turquesa a brilhar,
A terra inteira converge no mar,
Mesmo os campos verdes p’ra lá fazem caminho,
Todo o dia brinca qual feliz rapazinho
Entre os vales que o tempo faz iluminados.
 
Que feliz eu seria sem os meus cuidados!

Mas há pesar de mais neste mero ver
Que a feminina doença da consciência
Rói, como um verme, o íntimo do ser.
Só pensar que vivo dá desolação.
Um lugar pesado é meu coração.


In POESIA INGLESA II , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 2000
Fernando Pessoa
« Voltar