Bastou um pensamento,
um pensamento apenas,
para magoar de cinzas
as flores ocas
da Primavera dos caminhos.

Bastou um pensamento,
um pensamento maldito.
para enlodar de alma
este dia de festim de pólen nos cabelos
onde até os mortos trepam por dentro das árvores
para ver o Sol
do alto das flores.

Bastou um pensamento
para que neste mecanismo
de ramos e pedras
se abrisse um abismo
e o Sol  —  até o Sol!
se descarnasse
num arrepio de caveira ao vento...


In Cidade Inexacta
José Gomes Ferreira
« Voltar