Nunca mais tornarei onde estou e desamo
Mas meu choro de agora é aqui não tornar.
O que tenho e não quero, eu no porvir já amo.
O que não sou ainda é só quem ama o que sou.
10 - 3 - 1921

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar