O dia está a intentar raiar. As estrelas cosmopolitas 
Fecham-se para nada no céu [?solene?] 

Numa grande premeditação de raiar o dia 
O céu empalidece no oriente... 
É quase azul negro o escuro claro onde estão semeadas as estrelas. 
Ergo a cabeça da orgia dos astros. 

Raça contraditória do abismo,
Começamos a esfinges.

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Teresa Rita Lopes, 2002
Álvaro de Campos
« Voltar