Levar-te à boca,
beber a água mais funda do teu ser -
se a luz é tanta,
como se pode morrer?

In Obscuro Domínio
Eugénio de Andrade
« Voltar