Falsas, amor, as coisas que dizias…
Mas quem diz que não fora realidade
O que inconscientemente me dirias
Se tivesses mentido com verdade?
Nem pensavas nas vozes que trazias
À superfície da vulgaridade.

Falavas como quem a isso obriga
A condição de ter de responder,
Mas essa condição não é amiga
De se pensar antes de se dizer…
É falso quanto tua boca diga,
Mas torna-me a dizê-lo: quero-o ter.

 

5 - 9 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar