Quando descansareis, olhos cansados,
pois j no vedes quem vos dava vida?
Ou quando vereis fim e despedida,
a tantas desventuras e cuidados?

Ou quando querero meus duros Fados
erguer minha esperana to cada?
Ou quando, se de todo j perdida,
alcanar podereis meus bens passados?

Bem sei que hei-de morrer nesta saudade,
e que meu esperar todo vento,
pois nada espero ao que desejo.

E pois to clara vejo esta verdade,
bem pode vir a mim todo o tormento,
que no me h-de espantar, pois sempre o vejo.

Luís Vaz de Camões
[QUANDO DESCANSAREIS OLHOS CANSADOS]
Voltar