(Na cave do Café Martinho onde agora nos                                               reunimos todas as tardes - o Abelaira, o                                               Carlos de Oliveira, o Manuel de Azevedo, o                                               Vitorino Magalhães Godinho, ontem o Cardoso                                               Pires. Em Paris, Revolução. Aqui, em Lisboa,                                               chatice)


Que pena! não haver aqui senão barricadas de bocejos
feitas com canecas de cerveja, amendoins, tremoços e teorias
                                                                       [espreguiçadas.
sobretudo teorias com palavras lógicas de corações gelados. para
                                                                      [salvar o mundo.
Salvarem-no de quê? - desde criança que peço às estrelas que me
                                                                             [perguntem
que crime cometi antes de me nascerem as mãos.

Herdei-o como quem herda a morte, as árvores, o fogo
                                                                             [adormecido,
o pecado original.
a vida passada a papel químico
Mas por favor não me salvem. Percam-me antes. Percam-me!
Prefiro andar aos tombos com a cabeça a agredir os astros,
neste mundo que, como eu, não quer ser salvo,
mas despedaçado em pequeninas palavras enfim libertas,
soltas do cimento fluido que as prende ao real do sonho.

Deixem-nas correr, correr livres e sem máscaras nas valetas
para se colarem a outras coisas e sonhos diferentes
de maneira que a Terra pareça mais nova
com cidades por enquanto construídas com saliva
de bocas de mulheres
— quentes do sangue das bandeiras
agitadas pelo bafo de amor do vento.
Mas por favor não me salvem. Percam-me!

 


In Maio-Abril
José Gomes Ferreira
« Voltar