Se com desprezos, Ninfa, te parece
que podes desviar do seu cuidado
um corao constante, que se of'rece
a ter por glria o ser atormentado,

deixa a tua porfia e reconhece
que mal sabes de amor desenganado,
pois no sentes nem vs que em teu mal crece,
crecendo em mi, de ti mais desamado.

O esquivo desamor com que me tratas
converte em piadade, se no queres
que crea o meu querer em teu desgosto.

Vencer-me com cruezas nunca esperes;
bem me podes matar, e bem me matas;
mas sempre h-de viver meu pressuposto.

Luís Vaz de Camões
[SE COM DESPREZOS NINFA TE PARECE]
Voltar