No lar que nunca terei 
‘Stá a paz de todo o mundo. 
Ali o carinho é rei, 
O amor é bom e profundo 
Sem que seja □ 
Eu só o encontrarei 
No lar que nunca terei. 


□ espaço deixado em branco pelo autor
3 - 11 - 1927

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar