Eu me aparto de vs, Ninfas do Tejo,
quando menos temia esta partida;
e, se minha alma vai entristecida,
nos olhos o vereis com que vos vejo.

Pequenas esperanas, mal sobejo,
vontade, que a Razo leva vencida,
asinha daro fim triste vida,
se vos no torno a ver como desejo.

Nunca a noite, entretanto, nunca o dia
ver de mi partir vossa lembrana;
Amor, que vai comigo, o certifica.

Por mais que na tornada haja tardana,
sempre me faro triste companhia
saudades do bem que em vs me fica.

 

Luís Vaz de Camões
[EU ME APARTO DE VÓS NINFAS DO TEJO]
Voltar