Sossega, amigo. Quem tem a consciência tranquila
Afronta todas as cousas... E quem a não tem tranquila?

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar