Ó naus felizes que do mar vago
Voltais enfim ao silêncio do porto
Quando é na tarde a tarde irreal,
Meu coração é um morto lago
E à margem triste do lago morto
Sonha um castelo medieval.

E nesse onde sonha castelo triste
Nem sonha saber, a de mãos formosas
Sem gesto ou cor, triste castelã
Que um porto além rumoroso existe
De onde as naus negras e silenciosas
Se partem antes de ser manhã.

Nem sequer pensa que há o onde sonha
Castelo triste; seu esp’rito monge
Pata nada externo é vivo e real;
E enquanto ela assim esquecida vagueia tristonha
Regressam tristes do mar ao longe
As naus ao porto medieval.

10 - 6 - 1910

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar