Nem sempre o corpo se parece com
um bosque, nem sempre o sol
atravessa o vidro,
ou um melro cante na neve.
Há um modo de olhar vindo
do deserto,
mirrado sopro de folhas,
de lábios, digo.

 


In O peso da Sombra
EugĂŠnio de Andrade
NEM SEMPRE O CORPO SE PARECE
Ť Voltar