O sol doirava-te a cabeça loura.
És morta. Eu vivo. Ainda há mundo e aurora.
10 - 8 - 1932

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar