No regaço do tempo me conchego
Passam e passam os dias em modorra
E bolor, que os gestos entorpece.

Não há nesta dormência outro sossego
Que estar ciente o corpo da desforra,
Se a hora prometida lhe amanhece.


In Os Poemas Possíveis
José Saramago
« Voltar