Coroai-me de rosas,
Coroai-me em verdade
      De rosas —
Rosas que se apagam
Em fronte a apagar-se
      Tão cedo!
Coroai-me de rosas
E de folhas breves.
      E basta.

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar