Se morreres, ficará O sol: nada mudará. Menos um existirá. Quem amaste esquecerá. Quem te odiou não lembrará. Tua mãe te chorará, Mas o pranto acabará. Teu pai te lamentará, E o lamento parará. Teu irmão reflectirá Que como tu morrerá. Tua irmã suspirará, E a dor no suspiro irá. Tua viúva casará Ou amante tomará. Teu filho soluçará Até que adormecerá. Por povo que lidará, Ruas onde o sol dará, Teu caixão te levará, E alguém te enterrará, Terra em cima deitará. Teu corpo descansará. Se em paz ou não ficará O Mistério to dirá.
19 - 11 - 1908

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar