Parte-te contra a parede,
Coração que ninguém quer!
Alma com fome e com sede
Só do que não pode haver
O que te há-de suceder?

Cai no lixo e fica lá,
Anseio que és somente
De ir buscar o que não há
Onde os não hás não são gente!
Quebra-te, coisa que sente!

23 - 6 - 1934

In Poesia 1931-1935 e não datada , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2006
Fernando Pessoa
« Voltar