Eu cantarei de amor to docemente,
Por uns termos em si to concertados,
Que dous mil acidentes namorados
Faa sentir ao peito que no sente.

Farei que o amor a todos avivente,
Pintando mil segredos delicados,
Brandas iras, suspiros magoados,
Temerosa ousadia e pena ausente.

Tambm, Senhora, do desprezo honesto
De vossa vista branda e rigorosa,
Contentar-me-ei dizendo a menor parte.

Porm, para cantar de vosso gesto
A composio alta e milagrosa,
Aqui falta saber, engenho e arte.

Luís Vaz de Camões
[EU CANTAREI DE AMOR TÃO DOCEMENTE]
Voltar