O dia de sol e de brisa.
Trago comigo a minha dor.
Há uma alegria indecisa
Nas cousas □
Mas há frios de marfim
Dentro do meu ser

Ó sol tão exterior a mim!
Madeixa solta ao vento, loura
Reminiscência, no passado
A brisa te ergue e esta hora
É cheia de eu ter recordado...

Pobre de quem tem de viver
Pela força da vida e □
 
 
15 - 4 - 1915

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar