Fluxo e refluxo eterno...
Ondulação confusa
Ao sabor dum interno
Vício de força intrusa
No giro que há nos seres.

A noite cai do espaço,
Lírios que tu colheres
Fanar-te-ão sobre o braço.

19 - 6 - 1915

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar