é tempo de simulares a ressurreição
ergue-te da eternidade dos astros
escava nas veias três dias mortos
o sonho
e no fundo do espelho respira alegria
sobre o rosto escuro como um mingrólio
acende-te
na humidade sonolenta das mãos
finge a vida
mesmo que permaneça morto
bebe
a perene memória das imagens

levanta-te de mim Lázaro
como se fosses água ainda turva
sublima-te com o delicado fulgor da respiração
e não ao contínuo movimento falso
do coração

 


In O Medo
Al Berto
« Voltar