Nas altas árvores começa
Mas, de repente, o vento cessa,
E cessa a música, se a houve.

Também, no meu coração triste,
Aquele anseio que se esquece
E que na alma tanto insiste,
E acaba, sem que eu o tivesse.

Nas altas árvores o vento
Parece estar ou talvez não,
Ouve-o quem não lhe está atento,
Cessa se volta uma atenção.
Pelas florestas sossegadas

Onde um cantar de cisma se ouve,
Também □

31 - 12 - 1930

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar