Alma minha gentil, que te partiste
To cedo desta vida descontente,
Repousa l no Cu eternamente
E viva eu c na terra sempre triste.

Se l no assento etreo, onde subiste,
Memria desta vida se consente,
No te esqueas daquele amor ardente
Que j nos olhos meus to puro viste.

E se vires que pode merecer-te
Algũa cousa a dor que me ficou
Da mgoa, sem remdio, de perder-te,

Roga a Deus, que teus anos encurtou,
Que to cedo de c me leve a ver-te,
Quo cedo de meus olhos te levou.

Luís Vaz de Camões
[ALMA MINHA GENTIL QUE TE PARTISTE]
Voltar