Os vestidos Elisa revolvia
que lhe Eneias deixara por memria:
doces despojos da passada glria,
doces, quando seu Fado o consentia.

Entre eles a fermosa espada via
que instrumento foi da triste histria;
e, como quem de si tinha a vitria,
falando s com ela, assi dezia:

«Fermosa e nova espada, se ficaste
s para executares os enganos
de quem te quis deixar, em minha vida,

sabe que tu comigo te enganaste;
que, para me tirar de tantos danos,
sobeja-me a tristeza da partida».

 

Luís Vaz de Camões
[OS VESTIDOS ELISA REVOLVIA]
Voltar