Árvore verde,
Meu pensamento
Em ti se perde.
Ver é dormir
Neste momento.

Que bom não ser
‘Stando acordado!
Também em mim
Enverdecer
Em ramos dado!

Tremulamente
Sentir no corpo
Brisa na alma!
Não ser quem sente,
Mas é, a calma...


[3-8-1930]

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar