MOTE ALHEIO

Triste vida se me ordena,
pois quer vossa condio
que os males, que dais por pena,
me fiquem por galardo.

GLOSA PRPRIA

Despois de sempre sofrer,
Senhora, vossas cruezas,
apesar de meu querer,
me quereis satisfazer
meus servios com tristezas.
Mas pois embalde resiste
quem vossa vista condena,
prestes estou para a pena;
que, de galardo to triste,
triste vida se me ordena.

De contente do mal meu,
a to grande extremo vim
que consinto em minha fim;
assi que, vs e mais eu,
ambos somos contra mim.
Mas que sofra meu tormento
sem querer mais galardo,
no fora de razo
que queira meu sofrimento,
pois quer vossa condio.

O mal que vs dais por bem,
esse, Senhora, mortal;
que o mal que dais como mal,
em muito menos se tem,
por costume natural.
Mas porm nesta vitria,
que comigo bem pequena,
a maior dor me condena
a pena, que dais por glria,
que os males, que dais por pena.

Que mor bem me possa vir
que servir-vos, no o sei.
Pois que mais quero eu pedir
se, quanto mais vos servir,
tanto mais vos deverei?
Se vossos merecimentos
de to alta estima so,
assaz de favor me do
em querer que meus tormentos
me fiquem por galardo.

Luís Vaz de Camões
[TRISTE VIDA SE ME ORDENA]
Voltar