Não consentem os deuses mais que a vida.
Por isso, Lídia, duradouramente
      Façamos-lhe a vontade
      Ao sol e entre flores.
Camaleões pousados na Natura
Tomemos sua calma e alegria
      Por cor da nossa vida
      Por um jeito do corpo.
Como vidros às luzes transparentes
E deixando cair a chuva triste;
      Só mornos ao sol quente;
      E reflectindo um pouco.
17 - 7 - 1914

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
[[NÃO CONSENTEM OS DEUSES MAIS QUE A VIDA.]]
« Voltar