Oh! quanto melhor o supremo dia
da mansa morte que o do nascimento!
Oh! quanto melhor um s momento
que livra de anos tantos de agonia!

De alcanar outro bem cesse a porfia;
cesse todo aplicado pensamento
de tudo quanto d contentamento,
pois s contenta ao corpo a terra fria.

O que do seu fez Deus seu despenseiro
tem mais estreita conta que lhe dar:
ento parece rico o ovelheiro.

Triste de quem no dia derradeiro
tem o suor alheio por pagar,
pois a alma h-de vender pelo dinheiro!

 

Luís Vaz de Camões
[OH! QUANTO MELHOR É O SUPREMO DIA]
Voltar