Corre aos meus pés o rio.
As árvores revelam-se.
E em toda a parte há flores.
Como elas deixei vir
As horas ter comigo,
Sem sono, nem desvelo,
E deixando a natureza
Tornar-me em meu sonho.

O silêncio é dos deuses.
Passam nossas palavras,
Morrendo no ar o seu eco.
Quem nos ouvir esquece.
Só a calma e calada
Admiração das cousas,
Por nunca ter querido
Ser qualquer cousa, é tudo.

10 - 7 - 1916

In Poesia 1902-1917 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar