Um desgosto profundo
Que esgota em profundeza e altura
Todas as sensações do mundo,

Desvairada amargura,
Impotente saudade finda
Na praia morta e a noite escura.

Talvez uma ‘sperança ainda
Doire de madrugada a vir
A terna agonia e infinda.

Talvez... Mas há um espectro a vir
No fundo do conhecimento
E numa salva vem servir.

26 - 7 - 1926

In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005
Fernando Pessoa
« Voltar