Naquele tempo brando
em que se v do mundo a fermosura,
que Thtis descansando
de seu trabalho est, fermosa e pura,
cansava o Amor o peito
do mancebo Peleu de um duro afeito.

Com mpeto foroso
lhe tinha j fugido a bela Ninfa
quando, no tempo aquoso,
Noto ligeiro move a clara linfa,
serras no mar erguendo,
que as altas vo da terra desfazendo.

Esperava o mancebo,
com a dor que o seu peito n'alma sente,
um dos dias que Febo
o mundo todo abrasa em fogo ardente,
soltando as tranas de ouro
em que Clcie de amor faz seu tesouro.

Era no ms que Apolo
entre os irmos celestes passa o tempo;
o vento enfreia Eolo,
para que o deleitoso passatempo
seja quieto e mudo;
que a tudo Amor obriga, e vence tudo.

O luminoso dia
os amorosos corpos despertava
na cega idolatria,
que o peito mais contenta e mais agrava;
onde o cego Minino
se faz crer dos humanos que contino;

quando a fermosa Ninfa
com todo ajuntamento venerando,
na pura e clara linfa
o cristalino corpo est lavando;
o qual, nas guas vendo,
nele, alegre de o ver, se esta revendo:

o peito diamantino
em cuja branca teta Amor se cria;
o gesto peregrino,
cuja presena torna noite, dia;
a graciosa boca,
que Amor a seus amores mais provoca;

os rubins graciosos;
e prolas que escondem entre as rosas
os jardins deleitosos,
que o Cu plantou em faces to fermosas;
o transparente colo,
que cimes a Dafne faz de Apolo;

o sutil movimento
dos olhos, cuja vista o Amor cegou;
o qual, com seu tormento,
nunca mais de tais olhos se apartou,
mas antes de contino
nas mininas o trazem por minino;

os fios espalhados
de amor que aos mais dos peitos faz cobia,
onde Amor enredados
os coraes humanos traz e atia,
com frvido desejo
por onde ele comea a ser sobejo.

O mancebo Peleu,
que de Neptuno estava aconselhado,
vendo na terra o Cu
em to bela figura tresladado,
mudo um pouco ficou,
porque Amor logo a fala lhe tirou.

Enfim, querendo ver
quem tanto mal de longe lhe fazia,
a vista foi perder,
porque, de puro amor, Amor no via;
ficando cego e mudo
contra as foras do Amor, que pode tudo.

Agora se aparelha
para a batalha; agora remetendo;
agora se aconselha;
agora vai; agora est tremendo;
quando j de Cupido
com nova seta o peito viu ferido.

Remete o moo logo
para onde estava a chaga, sem sossego;
e co sobejo fogo,
quanto mais perto estava, ento mais cego
se via; e cum suspiro
na fermosa donzela emprega o tiro.

Vingado assi Peleu,
nasceu deste amoroso ajuntamento
o forte Larisseu,
destruio do frgio pensamento;
que, por no ser ferido,
foi nas ondas estgias submergido.

Luís Vaz de Camões
[NAQUELE TEMPO BRANDO]
Voltar