Louvar a guerra? — Loucura
Que é necessrio arrancar
De quem a quiser sentir!
—- A humanidade não deve
Atraiçoar a razão
Fundamental de existir.

Punhais, espadas, metralha,
Tudo isso para quê,
Se a vida pode ser bela?
-- O homem à luz do amor
Chegaria ao infinito
Para tocar uma estrela!
 
Viver na lama sinistra
De uma trincheira atascada
De mortos e podridão,
É perder a consciência
Do que vale para a vida
Ter no peito um coração...
 
Morrem cem mil? Não importa?
Em nome da Pátria quantas
Infames negociações!
Soluços! Caem por terra
Nas lágrimas dos vencidos
As mais altas ilusões.

conquistar novas bandeiras,
Chegar além !..., Mais além!...,
Matar, impor, destruir!,
É tombar, ingloriainente,
Na maravilha fatal
Do eterno Alcácer-Quibir!


     In Baionetas da Morte


In As Canções de António Botto - Primeiro volume das obras completas
António Botto
« Voltar