A boca,

onde o fogo
de um verão
muito antigo

cintila,

a boca espera

(que pode uma boca
esperar
senão outra boca?)

espera o ardor
do vento
para ser ave

e cantar.

 


In Obscuro Domínio
Eugénio de Andrade
PLENAMENTE
« Voltar