depois, disseste que a vida se propagava em transcendente vertigem
    e que a seiva ao penetrar os poros do estrume fecundaria a visão
    eu perguntava, que dom seria aquele?
    o do cego assistindo à projecção dum filme mudo
   
    ambos conhecíamos o sabor do sangue e das açucenas tardias
    mas, o tempo atropelou tudo em redor
    esquecemos os objectos íntimos e o que estávamos ali a fazer
    das palavras restavam os pedúnculos ocos na respiração dum recente
medo

    viajávamos sem rumo
    abandonei-te à transgressão do voo e do açúcar
    e quando regressámos um ao outro
    consentiste-me que roubasse aos deuses o silêncio
    e a luminosidade do monólogo

 


In O Medo
Al Berto
« Voltar