Não só quem nos odeia ou nos inveja
Nos limita e oprime; quem nos ama
      Não menos nos limita.
Que os deuses me concedam que, despido

De afectos, tenha a fria liberdade 
      Dos píncaros sem nada.
Quem quer pouco, tem tudo; quem quer nada
É livre; quem não tem, e não deseja, 
      Homem, é igual aos deuses.

1 - 1 - 1930

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
« Voltar