Quando ansioso pretendo antever
Qual o futuro, o que o homem será,
Qual o fim da terra, se desaparecer
Vai o mar, ou se por fim morrerá
Quem foi grande; quando tento abranger
Os saltos do tempo e imaginar
Quando o próprio fim, quando eu irei ver
Mundo, alegria e mundo a se finar;
Percebo então quão louco é o pensamento
Inútil; porquê procurar a tristeza
Em conjecturas, antes do momento;
O bem ou o mal, o que acontecer
Em dias futuros pouco me interessa;
Que só Deus decida e eu possa esquecer.

In Poesia , Assírio & Alvim , edição e tradução de Luisa Freire, 1999
Alexander Search
« Voltar