Amo o que vejo porque deixarei
        Qualquer dia de o ver.
        Amo-o também porque é.
No plácido intervalo em que me sinto,
        Do amar, mais que ser,
        Amo o haver tudo e a mim.
Melhor me não dariam, se voltassem,
        Os primitivos deuses,
        Que também, nada sabem.
11 - 10 - 1934

In Poesia , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, 2000
Ricardo Reis
[[AMO O QUE VEJO PORQUE DEIXAREI]]
« Voltar