Olhavam para tudo extasiadas. 
Puras, em cada rosa, em cada pedra, 
viam beleza eterna e absoluta. 
Seus olhos primitivos resumiam 
a intacta poesia da Manhã. 


In CABO DA BOA ESPERANÇA , Ática, 1993
Sebastião da Gama
« Voltar