Deitas-te   E ficas nua de nem nascida
Deitas-te   E vem a Lua que te fulmina
Deitas-te   E és uma rua desconhecida
Deitas-te   E logo a tua alma cintila

In O corpo iluminado
David Mourão-Ferreira
« Voltar